Site Dia de Beauté - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Dia de Beauté – Coloração vegetal desenvolvida por Cris Dios

Relato de uma vegana: como consegui transformar meu necessaire apenas com cosméticos veganos e livres de crueldade animal

Link para matéria: Site Dia de Beauté

Publicado em abril de 2019

Site Dia de Beauté - Laces and Hair Coloração Vegetal  

Site Circolare – Alessandra Ambrosio no Laces and Hair – Publicado em julho de 2019

Alessandra Ambrosio Aproveita chegada ao Brasil e coloca tratamento de seus cabelos em dia no Laces and Hair do Jardins.

Link para matéria: Site Circolare

Publicado em julho de 2019

Laces and Hair - Alessandra Ambrosio e Cris Dios

Site Caras - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Caras – Maiara muda completamente o visual – Publicado em junho de 2019

Maiara muda completamente o visual e surge ruiva

Link para matéria: Site Caras

Publicado em junho de 2019

Site Caras - Laces and Hair Coloração Vegetal Site Caras - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Caras - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Caras - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração Vegetal

Site Cabelos e Cia – Laces and Hair lança coloração vegetal – Publicado em Maio de 2019

Site Cabelos & Cia – Laces and Hair lança coloração vegetal à base de plantas

Link da matéria: Site Cabelos & Cia

Matéria publicada em maio de 2019

Site Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração VegetalSite Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração VegetalSite Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração VegetalSite Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração VegetalSite Cabelos e Cia - Laces and Hair Coloração Vegetal

Revista The List - Hibiscos Laces and Hair

Revista The List – Produtos Laces and Hair

Revista The List – Matéria sobre a história do salão Laces and Hair

Revista The List - Hibiscos Laces and HairRevista The List - Hibiscos Laces and Hair

Cantora Maiara - Cris Dios - Salão Laces

Site Top Magazine – Cantora Maiara passa por mudança visual – Publicado em julho 2019

Cantora Maiara passa por mudança visual

Link da matéria: Site Top Magazine

Publicado em julho de 2019

Cantora Maiara - Cris Dios - Salão Laces Cantora Maiara - Cris Dios - Salão Laces

Site Universa UOL - Maiara - Laces and Hair

Site Universa – Maiara retoca ruivo com tinta 100% vegetal – Publicado em julho de 2019

Maiara retoca ruivo com tinta 100% vegetal: do que é feita?

Link da matéria: Site UOL

Matéria publicada em julho de 2019

Site Universa UOL - Laces and Hair

A cantora Maiara, da dupla com Maraisa, que terminou recentemente seu namoro com o cantor Fernando Zor, retocou a cor dos cabelos com tinta 100% vegetal e mostrou o resultado dos fios nos seus Stories do Instagram. Maiara está com o cabelo ruivo e, para a transformação, escolheu usar um produto vegano. Segundo o salão Laces and Hair, responsável pela coloração da famosa, a tinta tem “plantas e ervas” da Índia. A coloração vegetal, como é chamado o procedimento, ainda de acordo com o salão, tinge e nutre ao mesmo tempo, regenerando fios danificados….

Site Universa UOL - Maiara - Laces and Hair

Site Universa UOL - Maiara - Laces and Hair

Laces and Hair - Revista Vogue - Bioma - Cris Dios

Revista Vogue Visita Cris Dios – Bioma Próprio – Edição Junho 2019

Revista Vogue visita Cris Dios

Título: Bioma Próprio

Edição de junho de 2019

Laces and Hair - Revista Vogue - Bioma - Cris Dios

Site Vogue Brasil - Laces and Hair

Site Vogue Brasil – Coloração permanente, antialérgica, orgânica – Maio de 2019

Coloração permanente, antialérgica, orgânica… você sabe a diferença?

Site Vogue Brasil – Matéria publicada em maio de 2019

Link para matéria: Site Vogue

Site Vogue Brasil - Laces and Hair

Site Vogue Brasil - Laces and Hair

Nada mais rápido para mudar o visual do que colorir o cabelo. Isso todos sabemos, mas o que poucos conhecem são as diferenças entre as fórmulas das colorações disponíveis no mercado, que vão das sintéticas – permanentes ou semipermanentes – às naturais, passando pelas hipoalergênicas.

De um modo geral, quanto mais química carrega o produto, melhor a performance em termos de cores, clareamento e durabilidade, mas também maior a probabilidade de danificar os fios e irritar o couro cabeludo. Já as naturais, à base de plantas, ganham espaço na Europa e começam a despertar a atenção por aqui, na onda do consumo saudável e sustentável, enquanto as hipoalergênicas são livres dos componentes mais irritativos. “O ideal é que o cliente esteja seguro do procedimento a ser realizado e conheça a composição de cada produto, para que não haja arrependimentos e problemas futuros”, orienta Bruno Oliver, do Oliver Salon, de Brasília. Conheça um pouco melhor os principais tipos de tintura.

Coloração permanente

Age em toda a estrutura do cabelo para modificar a cor. Traz, entre outras substâncias, água oxigenada (peróxido de hidrogênio), que atua na melanina, pigmento que dá cor ao cabelo, e amônia, que provoca a abertura das cutículas para que os pigmentos sejam depositados no interior da fibra capilar. “Esse processo resulta na perda de água e compromete a resistência, a maciez e o brilho dos fios”, explica Claudia Marçal, dermatologista de São Paulo. A descoloração é ainda mais agressiva. “Quanto mais intenso o clareamento, maior o dano na fibra capilar”, fala Marcela Buchaim, tricologista e proprietária do salão Studio Tez, em São Paulo. Por ouro lado, a cor é intensa, uniforme e dura mais. Além de clarear, escurece e cobre totalmente os fios brancos.

Tonalizante

“As tinturas chamadas tonalizantes ficam na superfície dos cabelos sem penetrar na haste. Podem ser menos agressivas, mas têm como desvantagem a eliminação mais rápida com as lavagens”, explica Cláudia Sá, dermatologista do Rio de Janeiro. Podem conter água oxigenada, mas a maioria não tem amônia. “Costumam empregar outro dilatador da cutícula do fio, a etanolamina, mais suave”, acrescenta a cosmetóloga e tricologista Cris Dios, à frente do Laces & Hair, em São Paulo. Disponível em várias cores e tons que realçam ou escurecem a cor natural do cabelo, cobrindo parcialmente os fios brancos – houve uma importante evolução em durabilidade nos últimos anos.

Coloração hipoalergênica

É indicada para pessoas que costumam ter alergias a componentes químicos como a amônia, que abre a camada externa para a entrada dos pigmentos, e o PPD (parafenilenodiamina), que fixa esses pigmentos. “São substâncias com potencial irritativo e que costumam ser encontradas na fórmula das colorações comuns”, fala Bruno Oliver. “Se você desconfia que tem alergia a algum componente químico, procure um dermatologista, que fará o encaminhamento para descobrir o que deve ser evitado na hora de mudar a cor dos fios”, recomenda o cabeleireiro.

Coloração vegetal

Como o nome diz, emprega apenas componentes de origem vegetal para colorir os fios e é livre de substâncias químicas como água oxigenada, amônia e PPD. Não degradam a cutícula nem a melanina do cabelo, além de preservar a saúde do couro cabeludo. Em ascensão na Europa, esse tipo é ainda pouco comum por aqui – a principal referência é a LCS, criada por Cris Dios, 100% natural, vegana (livre de produtos de origem animal) e orgânica (com matérias primas certificadas, livres de agrotóxicos). “O produto age apenas externamente, colorindo as cutículas de forma permanente, como se fizesse uma ‘capa’ em volta do cabelo”, explica a cosmetóloga. Cobre os brancos, não desbota com as lavagens e a indicação vai além das pessoas que apostam na beleza natural – é recomendada também para quem não pode ter contato com produtos químico, seja por motivo de saúde ou gestação.

Henna

“A natural permite apenas a obtenção de tons avermelhados. Mas, para se conseguir outras cores, corantes como o PPD são adicionados, o que torna o produto uma coloração permanente”, esclarece Sonia Corazza, engenheira química especializada em cosmetologia e consultora da Goldwell, marca de cuidados capilares. Age por depositação, não modificando a estrutura do fio, e cobre cabelos brancos. Pode desbotar com as lavagens. A henna natural é vegana e pode ser orgânica, de acordo com o método de cultivo da planta que dá origem ao corante, a Lawsonia.

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

Revista Casa Vogue – Belo Horizonte – Edição Dezembro 2018

Revista Casa Vogue – Edição dezembro de 2018

Link da matéria: Casa Vogue

Título: Belo Horizonte: um roteiro gastronômico e cultural pela capital mineira

Dotada de criatividade e carisma ímpares, Belo Horizonte renova suas tradições ao voltar o foco para a cultura e a gastronomia. Conheça, a seguir, as novidades da capital mineira que não podem ficar de fora do seu roteiro

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH
1.PÉ PALITO
Que atire a primeira pedra o arquiteto que nunca quis ter um projeto em uma obra de Oscar Niemeyer. Imagine, então, o privilégio de conceber uma galeria de móveis dentro de um ícone do mestre. É o caso da Pé Palito (abaixo), que acaba de abrir sede no edifício JK, assinado por Niemeyer em 1952 (acima). Idealizada inicialmente para ser um clube noturno (tem até a área da chapelaria) e um restaurante, a área fechada no térreo de um dos dois blocos do conjunto residencial se transformou em uma bela loja de mobiliário vintage depois de passar por um restauro comandado por Marcelo Alvarenga, do Play Arquitetura.

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

“Mantive o taco original, que é lindo, mas algumas partes foram delimitadas para formar uma espécie de palco”, explica, ao mostrar os quadrados branco e preto no piso, que realçam as peças. Ele desenhou uma coluna, que se funde ao chão formando outro suporte, para dialogar comas de Niemeyer. Há, ainda, uma maravilhosa parede curva coberta de azulejos e um canto dedicado às peças da Alva Design, marca de Alvarenga e sua irmã Susana Bastos. Nada mau figurar ao lado de Giuseppe Scapinelli, Geraldo de Barros, Jorge Zalszupin, Rino Levi e Zanine Caldas. pepalito.com.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

2. LACES AND HAIR
Instalado em um casarão dos anos 1940 no bairro de Lourdes, o salão eco friendly (acima) abre sua primeira filial fora de São Paulo, com mobiliário desenhado por Juliana Vasconcellos e lavatórios assinados por Naná Mendes da Rocha. Cris Dios e Itamar Cechetto levam a bandeira da sustentabilidade para solo mineiro: além de empregarem produtos que não poluem o meio ambiente, investiram no tratamento e reaproveitamento da água no próprio salão e no paisagismo de Flávia D’Urso, que inclui um teto verde capaz de diminuir a temperatura interna. lacesandhair.com.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

3. FASANO
Com projeto concebido pelo escritório Bernardes Arquitetura, a fachada de tijolos (acima) do mais novo hotel da rede Fasano já é ponto de selfie na capital do pão de queijo. E se o assunto é gastronomia, nem os mineiros, nem Rogério Fasano brincam em serviço. Por isso, o empresário tratou de conquistar o público local pelo estômago: instalou o impecável Gero (abaixo) integrado ao lobby do hotel, repleto de mobiliário de mestres do design nacional – pense em Percival Lafer e Sergio Rodrigues – e itens garimpados no interior do Estado. Uma antiga queijeira, por exemplo, serve de bancada para o café da manhã. Paredes e portas pivotantes de aço corten dividem os ambientes e o teto feito de ripas de freijó garante luz natural para os hóspedes ao longo do dia. Outro tiro certeiro é o primeiro Baretto fora de São Paulo, com shows de jazz todas as quintas. Como sempre, a banda de Rogério toca a sonata do luxo discreto e elegante. Com 15 anos de experiência no ramo, ele prova ser um maestro e tanto. fasano.com.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

4. A CENTRAL
Dono do Guaja, café, coworking e plataforma efervescente de Belo Horizonte, o arquiteto Lucas Durães inaugurou, no mês passado, o mais novo restaurante e espaço de eventos da capital mineira: A Central. Situado em um edifício de 1906 que sediou uma fábrica de tecidos, o lugar já é famoso pelo melhor pudim da cidade. A ideia é transformá-lo em point dos criativos de lá, a la Paris na década de 1930, com exposições sobre temas urgentes, shows experimentais ou simplesmente um local de pouso e inspiração para escritores de plantão. acentral.cc

5. SALA MINAS GERAIS
Criada por José Augusto Nepomuceno, arquiteto e um dos principais consultores de acústica do país (ele concebeu, também, a Sala São Paulo), Jô Vasconcellos e Rafael Yanni, a sede da Filarmônica de Minas Gerais é um must go para apaixonados por arquitetura. A proposta? Além de abrigar salas de concerto de altíssima qualidade técnica, contribuir para a renovação urbana ao propor uma área de socialização: o pré-foyer é aberto à rua e garante o bom diálogo entre interior e exterior. Com estrutura totalmente modulada, seu aspecto não é nada convencional: em vez da tradicional sala em forma de “caixa de sapatos”, a Sala Minas Gerais tem assentos distribuídos ao redor do palco. filarmonica.art.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

6. O ATELIÊ DE CERÂMICA
Localizado em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, O Ateliê de Cerâmica (acima) é o lugar ideal para tomar brunch num amplo jardim, comprar algo novo para a casa e aprender um pouco sobre os processos do barro e sua potência de transformação. Composta pela designer de interiores Flávia Soares e os filhos Luíza Soares, arquiteta e urbanista, e Daniel Romeiro, designer de produto, a turma do Ateliê já tem fãs assíduos, como o chef Leonardo Paixão, e seus artigos fazem parte de acervos como o do Google de Belo Horizonte. oateliedeceramica.com

7. PADARIA CASA BONOMI
Imaginada pela ex-bailarina do Grupo Corpo Paula Bonomi depois de uma turnê em Bruxelas, em 1990, quando conheceu a Le Pain Quotidien – pequena na época e hoje uma grande rede –, a Padaria Casa Bonomi vale a visita e as calorias consumidas. Paula convidou a arquiteta e figurinista do Corpo, Freusa Zechmeister, para projetar o seu espaço dedicado aos aficionados de croissants de chocolate, que ocuparia um casarão tombado
de 1902. Freusa apostou no piso de madeira de demolição e Paula nos pães de fermentação natural –muito antes de tudo isso entrar na moda. Na enorme mesa coletiva, prove o pão com queijo da Serra da Canastra na massa e o de queijo Prima Donna, presunto cru e rúcula. casabonomi.com.br

8. MÁXIMO SOALHEIRO
Quando o tema é cerâmica, existem duas palavras mágicas: Máximo Soalheiro. O mais admirado artista do barro da cidade é conhecido por sua abrangente pesquisa de pigmentos coloridos e pelas aberturas de forno quase sagradas (poucos têm a oportunidade de acompanhar!). Mas ele não para por aí: há anos está estudando uma mistura de elementos vindos das montanhas de Minas e recentemente encontrou a química exata para converter suas peças em instrumentos musicais – quando se junta a dez músicos, eles formam o grupo Concerto Mineral.@soalheiroatelier

9. NAMAH BISTRO
Vegano preferido da turma yogi de Lourdes, o Namah Bistro tem projeto de Freusa Zechmeister e ótimos chás para o verão. Do menu, vale provar o tartare de avocado, o nhoque de banana-da-terra com curry e o canelone de pupunha com creme de moranga e molho cítrico cremoso. No café da manhã? Tempão de queijo sem ingredientes de origem animal e saborosos smoothies. Está com energia? Então suba e faça uma aula de hot yoga no Espaço Namah. Namastê! espaconamah.com.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

10. VELHO MERCADO NOVO
Os hipsters estão chegando. E eles apontam o guidão de suas bicicletas para o Velho Mercado Novo (acima), no centro. No primeiro andar, gráficas, sebos e bancas de alimentos. Não deixe de visitar a nova filial da cervejaria Viela (se não estiver afim de beber, vale provar o refrigerante de gengibre) e a Cozinha Tupis. Em breve, haverá uma loja de ervas de coquetelaria da marca de gim Yvy, uma papelaria, um laboratório de revelação analógica, uma doceria, um café, uma charcutaria e uma marcenaria – claro! Afinal, a turma cool está no comando e tudo o que é handmade é valorizado. Em cima, uma área dedicada a eventos culturais e boas festas. @velhomercado

11. MERCADO GRANO
Um mix de casa de show, restaurante, empório de delícias mineiras (quem nunca voltou com a mala cheia?), loja de roupas e floricultura, o Mercado Grano faz valer a viagem até o bairro Jardim Canadá, a cerca de 30 minutos do centro. Os queijos superam as expectativas (e olha que são altas!) e você não se importará comas calorias extras ao comer o pão de chocolate feito pelo chef Fernando Bebber. Entre o bar e o palco, um lounge com peças de Jorge Zalszupin, Geraldo de Barros e Sergio Rodrigues. mercadograno.com.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

12. GALERIA CELMA ALBUQUERQUE
Galerista mais influente da cidade, Celma Albuquerque deixou um legado de respeito para a filha Flávia, que está à frente, hoje, da galeria homônima (acima). Representante de artistas como Antonio Dias, José Bento, Leda Catunda, Nuno Ramos, Waltercio Caldas, Tatiana Blass e Beth Jobim (à esq.), entre outros, a galeria apresenta também o melhor da produção do Estado – caso de Eder Santos, Laura Beléme João Castilho. galeriaca.com

13. BIROSCA S2
Santa Tereza foi o bairro eleito pela jovem Bruna Martins para abrir o Birosca S2: um restaurante despojado com direito a garçom tocando piano e muros baixos que permitem uma integração com a praça ao lado. No menu enxuto, pratos imperdíveis como o croquete de cordeiro com coalhada seca e chutney de pera, ou os dadinhos de tapioca com banana-da-terra, camarão e molho de moqueca. O tiramisù é cortado em pedaços na hora e no tamanho que o freguês quiser! @biroscas2

14. PERISCÓPIO ARTE CONTEMPORÂNEA
Fundada em 2015, a galeria já representa alguns bons nomes nacionais para sua pouca idade. Caso da carioca Ana Linnemann, que leva-nos a perceber as banalidades da vida, e o paraense Éder Oliveira – um dos maiores sucessos da 31ª Bienal de Artes São Paulo. periscopio.art.br

Laces and Hair - Casa Vogue - Bioma Laces BH

15. NICOLAU BAR DA ESQUINA
Comandado por Leo Paixão, chef do renomado Glouton, o Nicolau Bar da Esquina (acima), aberto em abril deste ano, é definitivamente o talk of the town no mundo gastronômico belo-horizontino. Estabelecido no Horto e com arquitetura de Cristiano Motta, a nova empreitada de Leo tem estilo industrial (com direito a muito metal e concreto, além de janelões com boa entrada de luz natural), móveis vintage e detalhes como um engraçado “UAI” na parede da adega. Da cozinha aberta, vale provar a linguiça da casa no carvão com molho cremoso de tucupi e o torresmo de barriga com caramelo de missô, dedo-de-moça e cerefólio. O sistema de cobrança é aplicado por meio de um QR code no seu celular. Moderno.
nicolaubardaesquina.com.br