ESG

Environmental/ Meio Ambiente

Produto – Quando falamos de produtos, o grande diferencial está nas embalagens que são feitas de material reciclado e contam com uma resina chamada Go Green biodegradável que possui tempo de vida útil de até 5 anos, diferente das tradicionais já conhecidas pelo mercado, que leva até 200 anos para se decompor. É feita uma escolha de matérias primas e rastreamento delas: usando menos material, desmatando menos as plantações e fazendo com que rendam muito mais do que a prática do mercado. Todos os produtos feitos em fábrica própria certificada orgânica desde 2015 e utiliza de logística reversa para mapear e rastrear o fluxo de produtos, embalagens e outros materiais para que sejam descartados devidamente ou para que sejam reciclados.

Salão/Serviço – Os salões do Laces têm a menor pegada hídrica de um salão de beleza. Além disso, priorizam a eficiência energética através de matriz limpa, contando com energia solar que é captada com placas solares fotovoltaicas e tubo luz, além de proporcionar um ambiente de beleza consciente com uma experiência sensorial e visual com propósito. De forma a incentivar também a fotossíntese das plantas, e reduzir a necessidade de lâmpadas acesas durante o dia, diminuindo o uso de energia elétrica.

Tratar a água da chuva para lavar cabelos é mais um exemplo que acontece nas unidades, por meio de uma tecnologia de osmose reversa que tem como objetivo principal separar a água dos sais minerais, purificando-a e tornando-a própria para utilização nos lavatórios. Na sequência, ela é tratada novamente para ser reutilizada nos banheiros e jardim. O aquecimento da água é feito através de placas foto-térmicas, que trabalham em conjunto com um boiler “inteligente” que tem a função de esquentar a água. Na gama de serviços, o uso do Roll Meches – uma ferramenta para fazer mechas e reflexo de forma reutilizável – deixou de descartar no meio ambiente cerca de 11 toneladas de papel alumínio.

Social

Na parte de projetos sociais, o grupo contribui com a Tribo dos Kamayurás do Alto Xingu, Ballet Paraisópolis e a ONG Bem Querer Mulher, e agora prepara-se para alçar voos ainda maiores no mundo com o reconhecimento na COP-27.
Uma empresa que é socialmente responsável está constantemente envolvida em ações sociais e isso passa longe de ser assistencialista. É por isso que há alguns anos temos participado diretamente dos projetos abaixo, como forma de colaborar na sustentação de suas existências e também de somar potências ao que cada um deles já vem desenvolvendo e realizando. O LACES tem como sua missão contribuir com a qualidade de vida e bem-estar social.

PROJETO
BEM QUERER MULHER

O Bem Querer Mulher é um programa de acolhimento e orientação para mulheres que visa coibir a violência doméstica e busca conscientizar a população sobre as diversas formas de violência, ressaltando a Lei Maria da Penha. Oferecem capacitação, apoio e recursos em prol da autoestima feminina. O projeto foi criado em 2004 com o apoio da ONU Mulheres por iniciativa de um grupo de lideranças empresariais e sociais e é auditado pela PWC – Price Waterhouse Coopers.

Em 2020, o LACES contribuiu financeiramente com o atendimento e auxílio de 6.985 mulheres, dentre eles: orientação jurídica, atendimento social e atendimento psicológico. Além disso, cestas básicas e álcool gel foram distribuídos àquelas com situação de maior vulnerabilidade.

BALLET
DE PARAISÓPOLIS

O Ballet Paraisópolis foi fundado em 2012 pela bailarina, professora e coreógrafa, Monica Tarragó. A ideia de criar um projeto que atendesse crianças e jovens na comunidade de Paraisópolis surgiu da vontade de tomar uma iniciativa perante o que Monica via de sua própria janela: desigualdade e vulnerabilidade. A partir da experiência adquirida como bailarina e professora de ballet, iniciou um projeto de formação que, por meio do ensino da dança clássica e contemporânea, incentiva crianças e adolescentes na busca por melhores oportunidades de vida.

O Laces investe mensalmente na carreira de 05 bailarinas do grupo, incentivando-as a seguir seus sonhos e se profissionalizarem. Além disso, nossas unidades recebem também mensalmente as 22 bailarinas do ballet para tratar e cuidar dos seus cabelos, abrindo espaço para trabalharem também sua autoestima.

XINGU:
TRIBO KAMAYURÁ

Nós entendemos as Terras Indígenas como áreas essenciais para conservação da diversidade biológica e cultural nos biomas florestais brasileiros e há alguns anos estabelecemos uma relação profunda e próxima com a aldeia Kamayurá, no Alto Xingú.

Acreditamos que uma forma de colaborar diretamente na preservação da cultura indígena é, além de estimular o artesanato local, entender as suas necessidades e como podemos contribuir de forma positiva sem afetar seus costumes. Recentemente doamos mais de 100 luminárias fotovoltáicas para iluminar a aldeia após ataques de onça pintada aos moradores da comunidade. Um de nossos parceiros nessa jornada com a ladeira Kamauyrá é a “Outra Margem”, uma produtora que traz a criação artística como possibilidade de transformação do mundo.

Governança

– Criação do comitê de conselho e diretoria para definições estratégicas

– Afiliação ao protocolo GHG para medição de pegada de carbono

– Contratação da consultoria Falconi para estruturação de metas e projeções

– Aquisição da Carbon Limited para internalizar a neutralização de carbono da companhia e fornecer para outras